Atenção senhores passageiros, temos uma mãe neste voo!

27 ago 2015
Voo_A_Margarita

Você descobre que está grávida, passa meses respondendo à famosa pergunta: “Para quando é?” No final da gestação a pergunta, às vezes, se torna mais objetiva: “Que dia nasce?” Oi? Na reta final o nível de ansiedade pode explodir qualquer tentativa de medição, mas ok, você vai respondendo e se dando conta de que está cada dia mais perto do grande momento.

Chega a hora do bebê nascer. Você conhece a famosa dor da contração. Neste momento você não sabia como era, só lembrava já ter escutado que dor pior só a de pedra no rim.

Dilatação atingida e você descobre uma força que coloca os pesos levantados por qualquer halterofilista no chinelo. E então acontece o melhor encontro da sua vida.

Hora de receber visitas. Plaft! Você se dá conta que acaba de adquirir o poder de invisibilidade, mesmo estando com os cabelos no melhor estilo espantalho, após todo seu esforço…

Seu filho vai crescendo, revelando uma forma de amor que não cabe dentro de você. Você também já havia escutado isso antes, mas não imaginava tamanha dimensão.

O tempo passa e você pensa que o voo irá se estabilizar e os avisos de segurança irão diminuir. Só que não (fazendo uso da gíria do momento, perfeita para a situação).

Seu filho entra na fase do apego à mãe e você escuta: Desgruda da mamãe! Como esse menino é agarrado nessa mãe, gente! Você se arrepia feito um gato, porque mesmo sem ter qualquer poder de vidência sabe o que te espera. 1, 2, 3 e começa o choro, que você havia acabado de controlar…

Em condições normais de voo, você é quem mais deseja que seu filho não te escale em busca do colo, desgrude da sua perna ou aceite outros braços diferentes do seu (neste momento cheios de músculos novos, que aparelho de musculação nenhum é capaz de trabalhar).

Outras tantas situações poderiam ser narradas e tenho certeza que muitas mães iriam se identificar. Pensando nestas situações lembrei do aviso de segurança antes da decolagem. Ao caírem as máscaras de Oxigênio primeiro os adultos vestem as suas e após colocam na criança ao lado.

Qualquer semelhança não é mera coincidência. Quando o foco de todos passa a ser o bebê, a mãe, tão fundamental para o seu desenvolvimento, fica sem seu Oxigênio, ou seja, falha grave em um voo tão especial.

Dedico este post às mães que precisam de um “Como posso te ajudar?”, que venha de dentro, quando o conforto é sentido só em escutar a pergunta ou ao menos um “Você quer uma água?”.

Enquanto isso vamos apertando os nossos cintos, porque precisamos estar seguras para que o ambiente dos nossos filhos seja o mais sadio possível.

 

10 comments on “Atenção senhores passageiros, temos uma mãe neste voo!

  1. Jaciara on said:

    Aplausos! Muitos aplausos!
    Giu, cada dia mais encantada com seu Blog!
    Cada um sabe a “dor de calçar o sapato apertado” mesmo outros só olhando a beleza dele…

  2. Parabéns pelo blog .Lindo!

  3. Larissa on said:

    Adorei esse post! Mesmo não sendo mãe ainda algumas situações que vcs passam nessa fase nós mulheres também passamos em outras situações! Muito bom!

    • amargarita on said:

      Que bom vc se identificou Larissa! Concordo, as situações de aperto ocorrem em vários outros momentos, não precisa ser mãe…

  4. Marcia on said:

    Giu ! Voce ta arrasando nesses textos…amando!
    Assim mesmo..todas as atenções pra mãe e de repente..kkk…e depois como é difícil passar por tudo ..muito normal ouvir palpites do que : como posso te ajudar?
    Beijos e sucesso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *